Street Customs - Notícias, Carros, Fotos, Vídeos, Wallpapers, Hot Rods, Som Automotivo

Campeonatos Iasca

Black Friday Street Customs

Campeonatos de som, um lugar para competir, aprender e se divertir com amigos e família. Saiba um pouco mais sobre os principais eventos do Brasil

  Com a mesma idéia, até certo ponto amadora, que os norte-americanos começaram a customizar seus carros, transformando-os mais tarde em exemplos de qualidade. Foram eles também quem deram os primeiros passos para apresentar ao mundo outras formas de paixões 

ligadas a este segmento. E foi dessa forma que aos poucos surgiu o que conhecemos hoje como campeonatos de som automotivo, em que pequenos grupos se reuniam e organizavam verdadeiras disputas para saber quem apresentava a melhor qualidade sonora nos carros.
Com o tempo, o número de adeptos aumentou, e o que parecia uma brincadeira foi tomando formas mais profissionais. Por dentro de todas as novidades, fabricantes e proprietários de lojas especializadas na venda e instalação desses materiais passaram a enxergar naquela diversão uma oportunidade de expandir os seus negócios. 
Foi assim que em 1987 surgiu a IASCA (International Auto Sound Challenge Association). A entidade na época era formada por vários fabricantes de sistemas de som automotivo, e aquilo que parecia ser apenas um hobby passageiro transformou-se, depois de um forte trabalho de marketing, em algo de grandes proporções, passando a influenciar diretamente na qualidade do produto oferecido no mercado. Dessa forma, ganharam os fabricantes, vendedores, instaladores e, principalmente, consumidores.
 Segundo a associação, o objetivo é valorizar as técnicas de instalação mais criativas e seguras, exigindo do fabricante qualidade de equipamento e do competidor, além de melhores formas de aproveitamento dessa tecnologia avançada.
Atualmente, mais de 40 países participam da mesma ideologia que, ao longo desses anos, tem conseguido elevar não apenas o nível das competições, mas, principalmente, o número de interessados em adquirir um áudio de qualidade reconhecido internacionalmente.

POR AQUI
A IASCA veio para o Brasil em 1992 e a procura por produtos consagrados aumentou bastante. Com a vinda do “selo”, as competições nacionais passaram a ser muito mais envolventes; e na briga pelas classificações, o desejo de chegar ao podium era cada vez maior, contando, em algumas oportunidades, com verdadeiras torcidas organizadas para determinado carro e competidor.
Com o tempo, aquilo que antigamente era isolado tomou proporções de equipe. Unidas no mesmo ideal, o nervosismo e a apreensão costumam tomar conta do palco também reservado para grandes aprendizados, trocas de experiências e espírito de solidariedade entre os participantes.
As regras seguem um manual especialmente desenvolvido nos Estados Unidos por aqueles que criaram o “desafio” IASCA. Estas, além de servirem como parâmetros de julgamento, são de grande auxílio para manter competidores e interessados no assunto por dentro de técnicas capazes de garantir um melhor aproveitamento das peças utilizadas.
Antes de fazer as inscrições, os competidores são enquadrados em uma das diversas categorias que abrangem o evento. A IASCA, atualmente está dividida em quatro delas, ou seja, novato, amador, profissional e expert.
Na categoria dos “novatos”, só participam aqueles que nunca concorreram em um evento da IASCA e que não possuem ligação com indústrias, revendedores ou instaladores de som. Já a categoria “amadores” inclui aqueles que já participaram de outras competições, mas permanecem sem auxílio especializado.
As disputas para “profissionais” englobam competidores representantes de lojas, além daqueles que recebem alguma ajuda das indústrias. Em ambos os casos, a disputa é acirrada e os concorrentes não medem esforços para impressionar. Já na “expert”, o que se busca é a preponderância. Aqui, os participantes são campeões consagrados que já chegaram a etapas finais e não pretendem dar nenhuma brecha que possa favorecer o adversário.    
É válido lembrar que, em cada uma das categorias mencionadas, existem ainda as subcategorias que englobam a potência do sistema de som e o número de equipamentos nele utilizado, como cornetas, subwoofers, módulos, entre outros. Em cada subcategoria existem mais duas divisões: Sound Q, que consiste na qualidade sonora e a Sound Q Plus, qualidade sonora e de SPL que mede a pressão acústica dentro do veículo.

JULGAMENTOS
Dois juízes especialmente treinados fazem todo o trabalho de avaliação que compreende a qualidade de som, instalação e desempenho. Mediante equipamentos sofisticados, ruídos, pressão sonora e pressão acústica, nada escapa desses ouvidos devidamente treinados que, em conjunto com um estudo aprofundado sobre a matéria, agregado ao seguimento das regras estabelecidas, deixam o público com o coração praticamente na mão.
Essas regras comportam muitas variações dependendo do foco da competição. Entretanto, a base de todas elas tem como finalidade dividir os competidores de acordo com as categorias já especificadas anteriormente. 
Nos campeonatos de SPL (Sound Pressure Level), o que determina o campeão é o veículo com mais potência acústica. Conectado a um equipamento chamado de RTA (Real Time Analyser), um microfone é colocado no banco do passageiro e com uma faixa especifica do CD oficial IASCA, os juízes constatam com precisão a pressão acústica do veículo através do RTA. Nessa análise, o carro permanece com as portas e os vidros fechados, impossibilitando a saída de ar do seu interior e garantindo um melhor rendimento. As batidas dos falantes deslocam o ar interno e provocam a pressão a ser computada em decibéis.
Nos campeonatos de qualidade, ganha aquele que tiver um conjunto mais equilibrado de som, instalação e também na curva de resposta do RTA.
Para a averiguação da qualidade de som, conhecida como audiofilia, os juízes verificam se o sistema é capaz de projetar a sensação de espaço na qual foi realizada a gravação para logo em seguida avaliar essa sensação. A idéia é que o som reproduzido possa ser apreciado como se estivesse sendo ouvido ao vivo. 
No tocante à instalação, o que conta pontos é o capricho dispensado nos acabamentos. Os juízes ficam atentos aos mínimos detalhes e qualquer descuido pode significar perdas consideráveis no resultado final. 
Para medir a curva de resposta do RTA, eles utilizam a faixa do CD IASCA denominada “ruído rosa”, parecida com os ruídos de um canal de TV fora do ar. Esses ruídos demonstram através de um gráfico toda a harmonia do equipamento instalado. Em seguida, é dado ao participante cinco minutos para explicar como o sistema foi realizado. Tudo é devidamente anotado e ao competidor só resta aguardar os resultados gerais, já que o individual é dado a ele logo após as medições.
Os julgamentos também seguem um padrão rígido. Para que estes possam ser validados, é preciso que estejam de acordo com um manual especialmente elaborado em que constam todos os detalhes para uma avaliação precisa, garantindo assim a solidez dos resultados.

PREMIAÇÕES
Os três primeiros colocados de cada categoria, além de receberem um troféu, também se classificam para a etapa nacional, o segundo passo para atingir os pontos necessários que os levarão a uma disputa mundial, desejo de muitos competidores.
Em média, são realizadas 80 etapas por ano, com a participação aproximada de 50 inscritos, divididos entre as modalidades e categorias disponíveis. Estes são considerados os torneios mais difíceis e também os mais envolventes, mas eles não são únicos, existe ainda o chamado Db Drag, campeonato em que se julga especificamente a pressão sonora do veículo.
Com a mesma pompa que o anterior, o número de participantes é elevado. As etapas classificatórias servem de pré-aquecimento, dando aos grandes vencedores a oportunidade de disputar um Mundial nas mesmas proporções de qualidade que o da IASCA.
Nesses ou em outros campeonatos existentes, a busca pelos primeiros lugares é incontestável. Porém, é preciso deixar bem claro que o mais importante é manter sempre vivo o espírito esportivo. Assim como as regras desses campeonatos estão sempre em evolução, seus participantes também devem fazer o mesmo na busca de grandes e novas experiências.  

Texto Claudia Cardinale  Fotos divulgação 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Banner



Visitantes Online

Nós temos 102 visitantes online

Sobre a Street Customs

A Street Customs Editorial produz títulos de qualidade que possam ajudar tanto os aficionados por automóveis customizados e preparados, quanto as empresas e profissionais que tanto trabalham para desenvolver produtos e serviços para este mercado.